Educação, Esporte e o Desenvolvimento do Ser Humano

No dia 28 de abril de 2000 na cidade de Dakar, Senegal, líderes de 164 países, incluindo o

Brasil, firmaram compromissos para o desenvolvimento da educação até 2030. Desde então

esta data passou a representar o Dia Mundial da Educação. Hoje o nosso tema engloba

Educação, Esporte e Psicologia, três áreas que se interrelacionam e trabalham juntas para

o desenvolvimento saudável do indivíduo, uma podendo servir de apoio e ferramenta a

outra.


Para além de uma data comemorativa, o 28 de abril no Brasil cria uma oportunidade de

reflexão e debate sobre os desafios da educação num país de dimensões tão grandes,

contextos tão diversos e desigualdades sociais tão marcantes, começando com o

entendimento que falar em educação é mais amplo do que tratar dos processos de

escolarização. Conforme descrito na Lei de nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que

estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, no seu art. 1º, a educação abrange

os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no

trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da

sociedade civil e nas manifestações culturais.


Conforme especificado no texto da lei, é possível constatar que a visão sobre a educação

de um indivíduo abrange um amplo conjunto de relações, estímulos e experiências às quais

manifestam-se nos diversos grupos sociais. Educar, educar-se, então não é um ato ou uma

ação isolada, é uma aventura, uma jornada de vivências, convivências e experiências que

permitem ao indivíduo a ampliação do seu conhecimento, da sua consciência e sua visão

de mundo a partir dos relacionamentos que experimenta.


Se a educação acontece a partir da intersubjetividade, isto é, da interação da pessoa com

outras pessoas e com o ambiente ao seu redor, muitas são as oportunidades e ferramentas

para ampliação dos espaços educacionais. Escolarização, artes, música, grupos de

afinidade, literatura, trabalhos manuais e tantos outros caminhos podem ser percorridos de

forma complementar, somando seus ganhos para o crescimento do indivíduo. Entre todas

estas possibilidades, uma das mais potentes é o esporte.


O esporte é visto como uma ferramenta para o desenvolvimento do indivíduo desde a

infância até a idade adulta. É uma atividade popular que possibilita o desenvolvimento da

saúde física e mental, da autoestima, da disciplina, das habilidades socioemocionais e,

enfim, do desenvolvimento de características positivas do indivíduo (competência,

confiança, caráter, conexão, cuidado/compaixão). Por isso, é importante incentivar a

educação física nas escolas, onde normalmente é onde acontece o primeiro contato da

criança com as atividades físicas. Destacamos a importância de programas e projetos

sociais que possam pensar em modelos capazes de favorecer o desenvolvimento positivo

de jovens, com a orientação e formação continuada de professores, educadores físicos,

treinadores e demais profissionais que atuam na área esportiva e recreativa.


Devemos lembrar que o contexto esportivo não deve ser visto apenas como um potencial

transformador de características pessoais no decorrer da infância e adolescencência, afinal,

quando investimos em esporte, os benefícios adquiridos serão levados ao longo da vida em

todas as etapas do desenvolvimento humano (família, escola, ambientes profissionais).


A prática esportiva é uma janela de oportunidades de aprendizado com infinitas

possibilidades. Através do esporte, do ganhar, perder, do esforço, da prática, do cair e

levantar, do enfrentar o oponente com respeito e não tratá-lo como um inimigo, do sorrir e

do chorar, se aprende ilimitadas lições que servirão para toda a vida. A disciplina esportiva

lapida com requinte o caráter de uma pessoa, ampliando a sua percepção e pavimentando

um caminho para o convívio mais cidadão e harmonioso com o outro e com o conjunto da

sociedade.


As artes marciais são especialmente valiosas por seus princípios, algo que vai além da

defesa pessoal e do treinamento do corpo e da mente. A força e o vigor dos golpes e

movimentos não conseguem esconder o seu poder educacional dentro de altos padrões de

respeito e disciplina. O Karate-Do, por exemplo, criado em Okinawa, no Japão, carrega uma

filosofia voltada para a formação moral, para o desenvolvimento de guerreiros para a vida,

indivíduos fisicamente treinados, mentalmente desenvolvidos e emocionalmente mais

preparados para enfrentar os seus desafios cotidianos.


Lemas do karate-do e sua contribuição para a educação

“Esforçar-se para a formação do caráter."

O Caráter é construído através das experiências sociais e pela compreensão dos valores morais e culturais, ou seja, ele é aprendido através da família, escola e na sociedade de maneira geral. É a expressão da personalidade por meio das atitudes de uma pessoa. (PASQUALI,2000)

“Fidelidade para com o verdadeiro caminho da razão.”

Acreditar, ser fiel aos princípios e executar. Se crermos em nossas escolhas, e daí sim, seremos fiéis. A verdadeira razão é a ponderação no agir, pois todos nós somos tomados por emoções funcionais ou disfuncionais.

“Criar o intuito de esforço.”

No esporte pode-se conceituar o esforço através da imagem de um indivíduo revestido de suor, movimentos corporais exaustivos ou um rosto transtornado de cansaço. No entanto, só há movimento no corpo, se houver motivação na mente. Nossa mente é um campo de batalhas, o esforço começa nos pensamentos que alimentamos, sejam eles positivos ou negativos.

“Respeitar acima de tudo.”

Respeito é um princípio básico para uma boa convivência, para respeitar o próximo temos que também respeitar a nós mesmos, através do karatê vivenciamos o autoconhecimento e a percepção do outro.

“Conter o espírito de agressão."

Quando o karatê nos convida a conter o espírito agressivo ele nos alerta que a agressão existe em cada um de nós. Podemos mudar os padrões de comportamentos agressivos e alimentar comportamentos de respeito e equilíbrio.


Pensamentos, comportamentos e emoções nos movem o tempo inteiro. Educar-se

emocionalmente, uma necessidade cada vez mais presente em um momento do mundo

com tantas incertezas e mudanças. Estar aberto a perceber e reconhecer suas próprias

necessidades, medos e adotar uma posição de humildade para procurar e aceitar ajuda

contribui muito para o desenvolvimento de um indivíduo. São muitas as alternativas

disponíveis como rede de apoio, a psicologia moderna pode oferecer suporte ao

florescimento do sujeito. Psicologia do esporte, psicologia clínica, conversa e escuta ativa,

mindfulness, terapias alternativas, coaching, são muitas as ferramentas e possibilidades

que, isoladas ou combinadas, a depender do caso, oferecem uma plataforma segura de

desenvolvimento.


Neste dia 28 de abril então é dia de celebrar a Educação, mas, mais que isto, de refletir de

forma crítica sobre o que pode ser feito a mais e melhor, sobre como efetivamente tornar a

Educação, em todas as suas dimensões, uma prioridade nacional. Sobre como não medir

esforços para ampliar este direito e esta oportunidade para o maior número possível de

cidadãos. Mais que uma data comemorativa, é um dia para unir esforços na construção de

uma sociedade mais equânime e, neste horizonte, este futuro desejado passa

indiscutivelmente pela Educação.


Sergio Souza

Empreendedor e atleta amador

Priscila Arana

Psicóloga clínica e esportiva

Adriana Brasil

Psicóloga clínica e esportiva






154 visualizações1 comentário